FBIE – Topo

Guaidó pretende anistiar militares e civis

Por Agência Brasil

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Na passagem por Brasília, Juan Guaidó, autoproclamado presidente da Venezuela, reiterou hoje (28) que pretende anistiar militares e civis, atualmente leais ao governo de Nicolás Maduro, que decidirem apoiar sua interinidade. Segundo ele, a medida deverá se estender para os oficiais que estão no comando no país.

Questionado se prevê alternativas para a saída de Maduro do poder, o interino respondeu que crimes de violações não podem ser anistiados.

“Violações aos direitos humanos não são anistiáveis. Isso não está no cenário. Temos plena consciência que, para gerar governabilidade, de gerar garantias, aos setores, é parte de um processo muito complexo que está vivendo o povo da Venezuela. A violação de direitos humanos e perseguição geram cicatrizes na sociedade.”

Vários líderes estrangeiros examinam a hipótese de construção de uma saída negociada para Maduro para que deixe o comando da Venezuela, sem confrontos nem acirramento da crise política.

Para Guaidó, a transição democrática requer estabelecer meios para a governabilidade, o que passa pela anistia.

“O objetivo central de qualquer transição é gerar, de novo, governabilidade, que permita atender a crise e os cidadãos. Nós temos falado de anistia e garantia, por exemplo, para os militares que se ponham ao lado da Constituição. Temos falado de anistia e garantia a civis, que respeitem o processo democrático.”

Segundo o interino, é preciso vencer as dificuldades para poder avançar. “O que não podemos fazer, os venezuelanos, neste momento, é viver com ressentimento porque nos ataríam a um passado e um presente que é muito tortuoso.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *