FBIE – Topo

Emprego? Saiba como começar a procurar

Por Altamir Lopes

Procurar emprego envolve foco, preparo e determinação. Fonte da foto: Pixabay

Procurar emprego envolve foco, preparo e determinação. Foto: Pixabay

Vamos aprender nessa série de artigos os pontos básicos para aumentar suas chances de conseguir o seu emprego.

Inicialmente, veremos regras gerais, que servem para qualquer situação profissional, mas nos artigos à frente, teremos dicas específicas. Por isso, acompanhem as próximas postagens daqui da nossa coluna “RH: Resultados Humanos” e podem perguntar à vontade!

As situações e circunstâncias que envolvem a procura de emprego variam muito. Alguns enfocam no salário, outros na carga horária e ainda outros no local de trabalho ou nos benefícios que a empresa contratante oferece, na escolha do “trampo”. Assim, como primeira regra a tomar para si, o caçador de emprego deveria se posicionar de forma clara sobre o que é mais importante pra ele, dentro desses pontos citados. Isso o ajudará a não ficar perdido tanto na procura quanto na escolha do seu futuro empregador. Lembre-se: Você pode até estar disposto a aceitar qualquer coisa pra trabalhar, mas até que ponto estará disposto a aceitar qualquer coisa para receber em troca do seu labor?

“…a empresa está de olho na perspectiva do resultado que você realmente é capaz de alcançar.”

Outro ponto importantíssimo é o quanto está preparado – tanto em nível acadêmico quanto em relação a experiência laboral –  para se aventurar a busca do seu emprego. Em artigos futuros tratarei especificamente sobre como conquistar seu emprego ora na posição de aprendiz ou sênior, mas por agora, vamos pensar no seguinte: É óbvio que com mais instrução e experiência as suas chances de ser empregar aumentam e o contrário também é verdade. Entretanto, isso não significa que, ao se candidatar a uma vaga adequada ao seu nível de instrução e experiência as suas chances estão a zero. Não! Lembre-se que as empresas estão a procura de pessoas que tenha atitude e habilidade, além do conhecimento em si. Dessa forma, ao passo que você não deixa de lado a formação continuada, melhorando o que você tem a relatar no ‘”papel”, não deixe de lado a importância de aprender a se comportar como profissional, a ter atitude, a ter sensibilidade e discernimento tanto na entrevista de emprego quanto no emprego em si. E, falando de “papel”, um dos poucos papéis que as empresas realmente estão interessadas é o papel-moeda que você poderá fazer com que ela conquiste, ou seja, a empresa está de olho na perspectiva do resultado que você realmente é capaz de alcançar. Se esse foco empresarial é certo ou errado, não cabe a mim falar disso agora, mas é uma realidade.

Por último, em todos os casos, o documento mais importante que você deve dar toda a atenção é o seu “curriculum vitae”. Em artigos anteriores eu já havia falado sobre ele e no futuro, falarei mais. Por agora, pense no seguinte trio: Atualização, coerência e foco. Atualização, porque um currículo que você montou quando saiu da faculdade em 2014 e até agora não foi revisado, vai conspirar contra você – isso é desleixo e despreparo puro. Coerência porque cada vaga é uma vaga e é óbvio que entregar um currículo para disputar uma vaga administrativa não é o mesmo que o feito pra disputar uma vaga comercial, mesmo que você tenha ambas habilidades e competências. Assim, monte um currículo para cada situação, mas sempre falando integralmente a verdade sobre você. Foco, porque simplesmente entregar currículo como quem panfleta no sinal de trânsito é sinal de desespero. Entregue o seu currículo a pessoa certa. Na hora certa. O emprego certo irá te encontrar.

E aí? O que acharam dessas três dicas iniciais? Comente aqui mesmo em nossa pagina ou envie um email para altamirlopes@folharj.com.br ! Será um prazer responder a sua pergunta! Grande abraço!

card folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *