Hinode – 1

Relacionamento: Primeiro tem que ser com você mesmo

Por Vera Barbosa

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

De fato,   temos recursos fantásticos e talentos, muitas vezes, ainda desconhecidos que pertencem a todo ser humano, mas que não foram aproveitados pela falta de conhecimento e de compreensão. Devemos ter em mente que o tesouro de infinitas riquezas está dentro de você e tudo é criado por seu estado de consciência pura, livre e real.

O seu poder se materializa quando você tem consciência da verdade que carrega junto a si mesmo, modificando todos os dias as emoções que não lhe levam a sentir mais dessa mesma consciência, ou seja do meio ao qual você pertence.  Como estão os vários tipos de relacionamentos que já construiu até hoje? Como você enxerga a sua capacidade de se relacionar nos diversos sistemas  que faz parte ?…

Para melhorar seus relacionamentos e ter capacidade de se conectar com qualquer pessoa em qualquer sistema em que você vive é preciso melhorar sua conduta trabalhando seu comportamento e, antes de tudo, você deve se conhecer e reconhecer o seu real valor.

Esse assunto é intrigante e instigante. Mas o meu maior objetivo é fazer vocês tomarem consciência de suas vidas e direcioná-las para o melhor patamar possível, muito embora, tenham convicção da complexidade da Gestão de Emoções.

Vejo que a maturidade pode ser considerada uma etapa da vida em vias de extinção, pois a incidência de divórcios aponta para a necessidade crucial de uma inteligência emocional.

Mas se por um lado as pressões sociais não mais sustentam um casamento, por outro lado, as forças emocionais do casal se tornam cruciais para o prosseguimento da união.

Este final de jogo do casal demonstra que, na verdade, há realidades emocionais paralelas na vida de um casal: a dele e a dela.

Há implicações nesse abismo que existe entre homens e mulheres em matéria de emoção, que  vão refletir na maneira como os casais lidam com as queixas e discordâncias que qualquer relacionamento íntimo gera.

Na verdade, questões específicas que o casal faz, por exemplo: sexo, educar os filhos, ou sobre orçamento familiar, não rompem um casamento. O que importa é como o casal discute esses pontos sensíveis.

Estas rachaduras aparecem se um dos dois parceiros tem déficits emocionais.

Os mapeamentos de divergências que levam um casal a se divorciar, avalizam a importância da inteligência emocional para a sobrevivência do casamento.

Uma das questões que vejo nos dias de hoje é que muitas vezes a energia  é usada de forma desenfreada nos acessos as redes sociais disponíveis. Precisamos de uma tecnologia que nos torne pessoas melhores, mas, muitas vezes, ocorre o contrário.

A aproximação e o afastamento: Juntos e ao mesmo tempo. 

Ao termos nossa atenção voltada para nossos eletrônicos, podemos transmitir a ideia de que a pessoa ao lado não nos é tão importante, provocando sentimentos de negligência e desconsideração contínuas.
Podemos, sem perceber, estar aproximando as pessoas distantes, mas afastando as pessoas que estão próximas.

Quem realmente você é fora das redes sociais?

A maioria das pessoas entram em um ciclo repetitivo de situações que fazem a vida ficar totalmente parada, e sem que percebam, esses sinais vão ficando cada vez mais intensos, tirando toda a graça e alegria da vida,   afastando as pessoas que estão próximas,  ao nosso lado.

Homens e mulheres, em geral, precisam de diferentes sintonias emocionais.

Sempre falo e estudos comprovam  que o que temos de mais difícil em nossas vidas são relacionamentos, pois cada individuo possui um mapa, uma história, registros que adquiriram durante a sua trajetória de vida, por isso a dificuldade.

Não existe outra forma de nos relacionarmos, a não ser através da sinceridade naquilo que somos, queremos e pensamos.

Não há amizade, relação profissional, nem união amorosa que seja capaz de não sucumbir ao que não se sustenta, ao fingimento, a simulacros e máscaras. Correremos o risco de nos machucar e de amargar a ingratidão alheia nessa caminhada, mas teremos sempre que nos mostrar ao outro, naquilo que somos, mais transparentes.

Devemos entender que somos seres relacionais. Vivemos uma vida baseada em relacionamentos, sejam eles de que nível for — familiar, profissional, afetivo. Os relacionamentos têm uma função: são instrumentos, ferramentas e oportunidades para que possamos desenvolver virtudes, para que o melhor de nós possa surgir, para que possibilidades de autoconhecimento se apresentem. São grandes escolas, proporcionando grandes aprendizados.

Entretanto, não podemos pensar na relação com o outro antes de olharmos para a  que temos conosco. E, diga-se de passagem, essa é a mais importante e sagrada que existe. A partir dessa relação é que a qualidade com o outro será determinada.

Então ame-se primeiro,  conheça e reconheça o seu valor antes de tudo.

 

01VERA BARBOSA

Master Coach Executive Bussiness com Certificação Internacional- EUA; Colunista da Folha do Rio de Janeiro; Graduada em Administração – Processos Gerenciais; Formação em Programação Neurolingistica-PNL; Hipnóloga com Certificação pela University Humanistic of the Americas; Especialista em Saúde e Espiritualidade; Aconselhamento Motivacional, Desenvolvimento Pessoal e Análise Comportamental ; Formada em Shiatsu Emocional;  Escritora – Coautora do livro “A Arte da Superação”, Autora do livro “Permita-se”. Atua como Coach Sensorial aliado a seis terapias (Shiatsu Emocional, Reik, Reflexologia, Barra de Acess, Cromoterapia e Aromaterapia), Pioneira no Brasil no atendimento de Coach aliado as seis terapias;  Consultora, Palestrante e Trainer.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *