Hinode – 1

Conexão de saberes e a importância do Hacking.Rio

Por Katia Nascimento

Arquivo pessoal

O Hacking.Rio aconteceu no Porto Maravilha e reuniu três eventos de sexta (27) a domingo (29), sendo dividido em três: Rio Summit, Rio Fórum e Hackaton, que ocorreram de forma simultânea, com o objetivo de debater soluções para a cidade. Lindália Junqueira foi a idealizadora do evento, devido ao seu desejo de fazer do Rio uma cidade cada vez melhor e a sua capacidade de unir pessoas.

O evento foi um festival de conteúdo relevante que convergiam e se conectavam, ajudando a cada pessoa a pensar como inserir tudo no seu negócio ou na sua ideia de negócio, e como este pode vir a fazer a diferença no Rio, no Brasil.

Ricardo Matta, presidente do Museu do amanhã, explicou que a tecnologia tem que ser o meio, e que é importante analisar sempre o desejo das pessoas. Mostrou  a importância da relação entre o museu e a comunidade da Providência, mostrando mais uma vez a importância da conexão e colaboração. Tema este que se repetiu ao longo dos dias e palestras.

João Kepler emocionou ao dizer que sua melhor startup são seus filhos, mas antes explicou sobre a importância do diagnóstico empresarial através do Big Data para que haja uma otimização e melhores resultados. “As empresas estão nascendo em uma nova cultura, em que é necessário ter mais eficiência, mais compartilhamento, mais otimização e menos consumo”, explica. O capital hoje é intangível, não importa mais se você tem ou não um escritório enorme e todo maravilhosamente decorado. É preciso novas competências para se manter no mercado “suas habilidades e competências importam mais que seu diploma”, fala com a propriedade que lhe é singular. É preciso buscar o conhecimento, ou seja, transformar informação em CONHECIMENTO. “Lembre-se, você vende a emoção, propósito. Saiba o que vende. Nada vem fácil na vida, não é fácil para ninguém”, fecha com chave de ouro.

Nathalia Medici, do Sofá do Vale, expôs os 5 novos pilares para um negócio de sucesso. Estes são: Cultura, propósito, ambiente, colaboração e experiência. E em cada palestra, anterior ou posterior, estes pilares foram confirmados e respaldados, como de fato, fazerem a grande diferença no negócio. CULTURA é a espinha dorsal do negócio, a identidade, quem você é; o PROPÓSITO é o por que você existe, é o que tem a capacidade de conectar; o AMBIENTE deve promover a diversidade (leia diversidade no sentido real da diversidade, como tudo o que é variado, múltiplo, diferente); COLABORAÇÃO é o sentido de que ninguém faz nada sozinho, é importante ter na mente que todo mundo precisa de todo mundo para crescer, e quanto é válido devolver a sociedade aquilo que você recebeu um dia; e finalmente, a EXPERIÊNCIA, que vem a ser “o promover a experiência”. A ideia é fazer “com” as pessoas e não “para” as pessoas afim de não errar, e entender porque as pessoas compraram seu produto ou serviço e o que você possui de tão especial. Natália é uma empreendedora nata e pode-se ver em seus olhos toda a paixão que sente por seus negócios e por toda a sua trajetória.

Logo depois, Ana Fontes, presidente da rede mulher empreendedora idealizada em 2010, durante o “Programa 10 mil Mulheres da FGV”, fez a sua participação. Ana conversou sobre o seu caminho e como a rede impacta a vida das mulheres empreendedoras no Brasil e os longos desafios que ainda temos pela frente. Um dos grandes ensinamentos que ficaram para mim, foi que o Brasil não é apenas as cidades dos grandes centros. A rede capacita mulheres em situação de vulnerabilidade e mais uma vez foi falado sobre a diversidade ser muito mais que a cor da pele e que empreender tem a ver com gente, e estas se reúnem para mudar o mundo. “Eu acredito que é a sociedade civil junta é que vai mudar o país, não a política, não o governo. Olhar para mulher é muito importante, ainda somos 6% na política e apenas 10% na liderança de grandes empresas”, relata.

Ainda no dia 28/07 presenciamos o painel “das meninas” todo pautado em educação: Tonia Casarin, da Singularity e autora do livro “Tenho monstros na barriga”; Angelina Clarke, do Descomplica, e Maira Pimentel, Cofundadora da Tamboro Educacional, mediado por Roberta Ferraz, Coordenadora de projetos especiais do Infoglobo.

Design sem nome (19)A paixão pela inovação e educação (também minhas paixões universais) foram o ponto forte deste bate-papo. Tonia falou sobre como as habilidades socioemocionais pode ser um fator determinante no mercado atual e no novo modelo de trabalho que se desenha, bem como as competências fundamentais citadas por Maira que são a comunicação, a criatividade e a capacidade de resolver problemas. Angelina, relatou como as possibilidades de ingresso no ENEM aumentaram a partir do uso da tecnologia e do acesso à educação com o descomplica e Roberta costurou tudo nos apresentando o evento educação 360 que dialoga com todos estes temas e costura pensamentos brilhantes em prol do crescimento qualidade da educação. A ideia é impactar novas tecnologias afim de observar como tudo isto se organiza, em um mundo em que as pessoas estão no movimento para se reencontrar e se desenvolver.

O que ficou de lição, destes três dias, foi que precisamos replicar iniciativas, e que ensinar é nossa maior revolução. A educação é a base de tudo e é o que definitivamente irá mudar o país.

No domingo, dia 28/07, o marco foi o amor e orgulho! A importância de resgatarmos o orgulho pelo nosso país, pelas nossas cidades, estado e por quem somos. Tocou muito meu coração escutar Pere Muñoz Perrugoria, de Barcelona, que nós brasileiros não temos orgulho de sermos brasileiros, que somos os primeiros a falar mal do nosso país. Isto é muito sério. Assim como falamos mal de nós mesmos. Dr. Ozires Silva disse na sexta,  26/07, que uma vez teve a informação (conversando com uma pessoa do prêmio Nobel) que nunca um brasileiro ganhou o prêmio Nobel porque toda vez que um brasileiro é indicado, outro  brasileiro o invalida. Imagina, nós mesmos nos detonamos. É importante que nos fortaleçamos como comunidade, como mulheres, como líderes e empreendedoras.

Em todas as palestras ficou claro a importância do movimento, da conexão, da convergência das novas tecnologias dentro de nossas empresas, da proximidade e empatia em relação aos nossos clientes, colocar de fato o ser humano como foco, utilizar Big Data, assim como outras tecnologias, para buscar soluções e oportunidades de negócio e ter um propósito definido.

O evento foi brilhante e tenho certeza que muitos frutos sairão desta iniciativa maravilhosa. Bom, o convite agora é que todas nós, nos coloquemos em ação. E pense: o que você pode fazer para contribuir para uma cidade / estado melhor?


AdicioMaster Coach e Fonoaudióloga com sólido conhecimento em Neurociências do Comportamento, Linguagem e Cognição . Estudiosa do cérebro humano desde 2006, bem como da comunicação verbal e não verba (2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *