Alecs – 1

Como encontrar a felicidade?

Por brunabarioni

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

Quando você olha para alguém feliz, o que você enxerga? Provavelmente muitos de nós imaginamos uma pessoa com um sorriso largo no rosto, por vezes eufóricas de alegria. Para outras pessoas, por exemplo, feliz é quem mora na Califórnia, com belas praias, belos carros e quem sabe uma conta bancária bem recheada. Quantas pessoas felizes você não viu hoje em sua rede social antes das 8h da manhã? Talvez se dermos um “pulinho” logo ali do outro lado do mundo, a imagem de felicidade seja alguém sentado em sua sala, meditando sobre um colchonete, ou quem sabe fazendo um tai-chi no parque.  Quem você acha que é mais feliz:  uma pessoa que ganhou na loteria na última semana ou uma pessoa que sofreu um acidente também na última semana?  Estudos sobre a felicidade dizem que no primeiro momento, quem ganhou na loteria teve seus níveis de felicidade maior do que a pessoa que sofreu um acidente, mas após 1 ano de cada um dos eventos o nível de felicidade é exatamente igual.

O que estou querendo dizer é que a felicidade vai muito além de um sorriso no rosto, um status social ou a capacidade física. A felicidade é um estado e que pode ser temporário, pois ninguém é feliz o tempo todo. Até porque para sabermos o que é felicidade precisamos saber o que é infelicidade.

Nos últimos tempos passei a ler muito sobre Psicologia Positiva. Algumas dessas leituras estão baseadas em livros de estudiosos como o psicólogo Martin Seligman criador de um movimento chamado “Felicidade Autentica”, Sonja Lyubomirsky que estuda os níveis de felicidade e Mihaly Csikszentmihalyi um psicólogo Húngaro que também estuda a felicidade.

Nos últimos estudos sobre níveis de felicidade foram levantados 3 pilares que sustentam nosso nível de satisfação. O primeiro é o genético, que é responsável por 50% da nossa felicidade, ou seja, se nossos pais eram pessoas felizes, provavelmente herdaremos 50% de felicidade em nossas vidas.

Outros 10% derivam das circunstâncias, ou seja, atender as suas necessidades básicas, como por exemplo, dinheiro, estudo, algum status. Porém, esse nível de felicidade é temporal, ele tende a passar e perder o efeito com o tempo. Quem nunca achou que um aumento de salário mudaria sua vida, e depois de conquistá-lo você sentiu que precisava de mais?

Nos restou os outros 40% e onde será que fica guardado esta outra fatia tão significativa da nossa Felicidade? Este percentual está guardado no que nos diferencia de nossos ancestrais primatas, que é nossa forma de pensar, agir e encarar vida de forma criativa.

Então se pararmos para pensar, a genética já foi feita e não temos como alterá-la. As circunstâncias são uma necessidade à qual iremos sempre buscar mais. Então, talvez seja mais eficiente mexer nesses outros 40%, que correspondem à nossa maneira de pensar positivamente e mudar nossos comportamentos.

Tenha mais Gratidão pelo que você tem hoje, tanto de coisas materiais, como também das suas experiências vividas, tenham sido elas boas ou ruins, pois certamente você aprendeu algo com elas.

Ser otimista pode ser muito difícil para pessoas pessimistas, mas pensar positivamente sob uma situação pode fazer com que você esteja mais disposto a enfrentar a vida e estimular a criatividade.

Tenha Coragem, paciência e outros comportamentos saudáveis para sua mente.

Com base nestes mesmos estudos podemos falar de 3 degraus para facilitar a conquista da felicidade. São eles:

Tenha uma vida Prazerosa

Tente vivenciar mais emoções positivas do que emoções negativas. Claro que não estou dizendo que você não deve ter emoções negativas, mas sim buscar minimizá-las. Tente pensar positivamente diante das situações.

Tenha uma vida Engajada

Neste “degrau” falamos em ter uma mente positiva, algo que na psicologia é chamado de “flow”, que seria “fluir” em português. Para exemplificar, estamos falando de mente e corpo estarem em um só fluxo, como quando estamos fazendo algo que realmente gostamos, que sequer percebemos as horas passarem, ou sentimos fome, sede e etc. Simplesmente nos entregamos de corpo e mente àquilo que gostamos. A vida engajada busca essa entrega, uma motivação interna naquelas atividades que você gosta. Para algumas pessoas pode ser um trabalho, momentos com a família, ler um livro, ou fazer uma atividade que você realmente goste.

Tenha uma vida com Significado

Ok, temos emoções positivas, e deixamos nossa mente e corpo fluírem em prol de algo que gostamos e nos motiva, porém, e as outras partes da nossa vida? E aquela pessoa que ama o seu trabalho, porém tem problemas nos relacionamentos? E não estou falando apenas de relacionamentos amorosos, mas sim das relações com o próximo. É neste ponto que entra o propósito, o significado que damos às nossas vidas, aquilo que fazemos para o outro, aquilo que é maior que nós, e vai além da nossa existência nessa vida.

Para resumir este artigo sobre a Felicidade, ficam as dicas:

  • Procure ter comportamentos positivos.
  • Busque emoções positivas.
  • Se entregue de corpo e mente a algo que ama.
  • Busque um significado em sua vida.

 

Bruna Barioni

Master Coach – R&B Coaching e Associados

Da inspiração à Conquista

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *