Cinemark – 2

Taxistas do Rio protestam contra Uber e 99 Pop

Por Agência Brasil

Taxistas protestam contra aplicativos de transportes de passageiros em carro particular, como nos serviços oferecidos por empresas como Uber e 99 Pop (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Taxistas protestam contra aplicativos de transportes de passageiros em carro particular, como nos serviços oferecidos por empresas como Uber e 99 Pop (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Taxistas do Rio de Janeiro estão reunidos hoje (27) pela manhã em frente ao prédio da prefeitura para reivindicar que o poder público não regulamente o transporte de passageiros em carro particular, como nos serviços oferecidos por empresas como Uber e 99 Pop. O protesto reúne cerca de dois mil taxistas. Muitos vestem camisas amarelas, em alusão à cor oficial dos táxis da cidade.

O trânsito está congestionado na Avenida Presidente Vargas. As alças de acesso que saem do Centro de Convenções Sulamérica e do Túnel Rebouças foram fechadas. O clima está tenso e a polícia jogou algumas bombas de efeito moral, mas a manifestação não dispersou. Mais taxistas se deslocam da Zona Sul para participar do ato.

Segundo o Sindicato dos Taxistas Autônomos do Município do Rio de Janeiro, a categoria pede fiscalização nos aplicativos e em estacionamentos irregulares próximos aos shoppings, aeroportos, eventos, shows e da Rodoviária; descredenciamento do Easy e do 99, que, segundo o sindicato, operam na mesma plataforma que o aplicativo de carro particular; e a prorrogação do prazo de vida útil dos veículos de 6 para 8 anos, o que já foi atendido pela prefeitura, com o Decreto 43.465/2017 publicado ontem no Diário Oficial do município.

O prefeito Marcelo Crivella recebeu representantes dos taxistas ontem e disse que estuda formas de regulamentar os serviços de transporte por táxi e carros particulares que utilizam aplicativos para smartphone.

O Uber informou que não vai se pronunciar sobre a manifestação de hoje dos taxistas, pois está operando no Rio de Janeiro com base em uma medida liminar da Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *