IAPP – 1

Como usar corretamente o WhatsApp – Parte 2

Por Altamir Lopes

 

Imagem:Pixabay

Imagem:Pixabay

Imagine as seguintes situações: Fazer piadinhas no meio de um velório; Contar em voz alta mil histórias de desastres aéreos em pleno voo dentro de um Boeing lotado; Tagarelar sobre as próprias aventuras de final de semana no meio da aula do professor de matemática; Usar roupa de banho numa reunião da empresa… Todas essas situações equivalem a não utilizar corretamente o WhatsApp quando se trata de fazer parte de “Grupos”! E dá-lhe inconveniência…

Vamos aprender a usar corretamente o recurso de formação de grupos no Aplicativo?

A utilização de grupos de WhatsApp tornou-se muito comum atualmente e sua incorreta utilização também. Recurso tecnológico cheio de utilidade, mas que é muitas vezes perturbador, inconveniente, inútil e consumidor de tempo útil, os grupos de WhatsApp podem ser simplesmente um terror moderno. Assim, como podemos fazer uso – tanto num âmbito puramente social quanto profissional – dessa ferramenta moderna sem sentir nem causar estresse?

1 – Grupos com interesses sociais

São aqueles grupos formados por amigos, familiares ou grupos de colegas que tem algo em comum e querem compartilhar mensagens entre si para se divertirem, sem nenhum objetivo específico senão manter a comunicação ou apenas para acelerar a propagação de determinada informação que parece ser de interesse de todos. Às vezes, formam-se grupos dentro de um círculo familiar, outras vezes, esse mesmo círculo pode ser subdividido ou multiplicado.

Normalmente, é criado por alguém que tem o consentimento prévio dos futuros integrantes para formar o grupo, inserindo esses amigos no pacote. Nesse tipo de grupo, normalmente, o enfoque é ligado a diversão e entretenimento, com transmissão de informações compartilhadas para ajudar uns aos outros ou dar avisos mais ou menos importantes.

O nível de intimidade e jocosidade pode chegar a extremos nesse tipo de grupo e alguns integrantes podem acabar enviando mensagens que ofendam sem intenção. Também é comum o uso exagerado de fotos, vídeos e links. Tudo isso gera um aumento no tráfego de mensagens, aumento de consumo de memória do dispositivo eletrônico com correspondente consumo de tempo para atualizações e limpeza do aparelho.

O que fazer? Simplesmente solicite sua exclusão, de preferência usando o número privado do administrador, fazendo-o com gentileza. Todavia, se houver alguma necessidade real de se manter no grupo, silencie as notificações, caso elas sejam muitas e especialmente “fora de hora”. Em última análise, o administrador do grupo poderá estabelecer algumas regras para todos os participantes.

2 – Grupos com cunho acadêmico e/ou profissional

Às vezes, turmas de alunos de uma faculdade ou grupos de trabalho numa empresa formam grupos com foco nas atividades que exercem. Nada tem contribuído mais para a agilidade nas comunicações ( às vezes sendo mais eficiente que as ligações telefônicas, se bem utilizados ) no âmbito corporativo e/ou acadêmico.

Todavia, por algum motivo ainda a ser estudado,  algumas pessoas parecem que necessitam enviar mensagens de “bons dias”, “durmam bem” ou “Você é especial” ou “Não desista dos seus sonhos” e afins… E aí, pronto. O grupo que deveria estar ali para conseguir otimizar o tempo passa a contribuir para que se perca tempo.

É claro que ser cordial, animador e informativo é bom. Mas você conseguiria ficar realmente bem se recebesse 256 bons dias de uma pessoa num espaço de 30 minutos? Provavelmente, não. E é bem perto disso que um grupo chega. Embora as pessoas sejam seres individuais, um grupo de WhatsApp é um conjunto de indivíduos enfocado numa coletividade única. Ou seja: A paciência vai se esgotar rápido. E quando se está fazendo parte de vários grupos simultaneamente? É melhor nem falar…

E não e só a paciência que pode (e vai) se esgotar. Lembre-se que estamos falando de grupos formados para atingirem objetivos acadêmicos e/ou profissionais, ou seja, com objetivos bem definidos e limitados. Você pode acabar deixando uma péssima impressão sobre si mesmo ante aos outros participantes se não utilizar o grupo com eficácia e profissionalismo, o que não será nada bom para sua carreira como acadêmico ou profissional.

Quer promover uma festinha, contar uma piada, falar do político, enviar uma corrente de oração ou enviar um vídeo do gatinho fofinho levando susto? Crie um grupo especificamente para isso ou faça uma transmissão direta. Será bem mais apropriado. Aliás, a forma correta de se formar um grupo é CONVIDANDO os potenciais participantes e não simplesmente inserindo as pessoas sem o devido consentimento delas. Reforço: Inserir participantes sem o consentimento delas gera uma situação que fica chata até para desfazer o grupo ou pedir para sair, concorda?

Assim, pense bem no quanto formar ou participar de um grupo de WhatsApp tem contribuído – positiva ou negativamente – na sua própria administração de tempo e paciência, dois recursos valiosos que você não vai querer desperdiçar. Lembre-se: a tecnologia está aí para nos servir e não nós a ela!

E se você tem um dúvida, crítica ou sugestão envie para altamirlopes@folharj.com.br . Grande abraço!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *