Leandro Cunha – Topo

Siso, o dente do juízo

Por Bruno Chagas

download (1)

Siso – O que saber sobre o dente do juízo:

Os terceiros molares, dentes do juízo ou sisos, como são popularmente conhecidos, são os últimos dentes a se desenvolverem e muitas vezes viram uma dor de cabeça. “É comum que o terceiro molar não encontre espaço dentro da boca, o que leva a problemas estruturais e de saúde geral. A não ser que o dente encontre espaço para auxiliar na mastigação e possa ser higienizado”, explica Dr. Alexandre Maurity, cirurgião buco-maxilo-facial.

Apesar dos terceiros molares inclusos ou retidos não causarem nenhum transtorno aparente ao paciente (como dor) por muitos anos, uma série de problemas podem estar diretamente relacionados com a sua presença, provocando em ordem decrescente de frequência, apinhamentos dentais (dentes anteriores desalinhados), pericoronarite (infecção local devido à dificuldade de higienização, com dor aguda e dificuldade de abertura da boca devido à inflamação local aguda), cisto dentígero (cisto dentro do osso, provocado pela presença do dente do siso retido no osso) até dificultar a mastigação e a alimentação, deixando o paciente debilitado e afetando a sua saúde geral.

Ninguém pode prever quando irá ocorrer tais complicações relacionadas aos terceiros molares, mas quando ocorrem, as circunstâncias podem ser muito mais dolorosas e mais difíceis de tratar. Estima-se, de acordo com a Associação Americana de Cirurgiões Orais e Maxilo-Faciais (AAOMS, 2009), que cerca de 85% dos terceiros molares, eventualmente, precisam ser removidos.

Os dentes do siso são mais fáceis de serem removidos quando o paciente é jovem, por volta dos 17 anos, uma vez que as suas raízes não estão completamente formadas, o osso circundante é mais suave e mais elástico, e há menos chance de prejudicar estruturas nobres próximas ao dentes retidos, como nervos ou outras estruturas. A remoção desses dentes em uma idade mais tardia torna-se um pouco mais complicada uma vez que as raízes tenham se desenvolvido plenamente (podendo envolver estruturas nobres, como nervos) e o osso maxilar se tornar mais denso e maduro. Devido a isto, estes tipos de problemas podem e devem ser evitados através da remoção cirúrgica destes dentes, geralmente feita em consultório, de uma maneira indolor e atraumática pelo cirurgião buco-maxilo-facial, especialista neste tipo de cirurgia.

Vale ressaltar a extrema importância deste procedimento de remoção cirúrgica ser realizado por um profissional de confiança e indicação, pois um erro durante a cirurgia poderá levar à consequências que variam desde uma parestesia (dormência) labial ou lingual até uma fratura de mandíbula, entre outras complicações.

A recuperação do paciente é completa por volta de sete a 10 dias depois do ato cirúrgico, época em que são removidos os pontos , porém o paciente pode voltar às suas atividades normais a partir do terceiro dia pós-operatório, entretanto alguns cuidados se fazem necessários, como compressas geladas na região operada e alimentação líquida e fria no primeiro dia, e pastosa nos demais dias da semana, com suspensão das atividades físicas até a sua total recuperação.

De maneira geral, você pode apresentar um leve desconforto e um pequeno inchaço compatível com o processo de cicatrização normal, quadro compatível com o ato cirúrgico e esperado pelo cirurgião, que prescreve as medicações necessárias para ajudar você a diminuir esse possível desconforto pós-cirúrgico.

Para saber mais acesse o site www.cdfrio.com.br.

Bruno Chagas
  • Especialista em cirurgia pelo Hospital Federal de Bonsucesso
  • Membro  do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial
  • Felow em Cirurgia Videoassistida na Letônia
  • Residência em Artroscopia das ATMs
  • Staff do Centro de Deformidades da Face-RJ
  • Staff do Hospital OesteDor                                                                                                                                              Email: drbrunochagas@hotmail.com                                                                                                                       Facebook: facebook.com/brunochagas253

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *