Conquista Editora – Topo

Em depoimento à PF, Lula disse ser vítima de ‘sacanagem homérica’

Por Edir Lima

Lula-PT-Gabriela-Bilo-Estadao

 

Nesta segunda-feira (14), a Justiça Federal colocou em seu sistema a transcrição das declarações de Lula aos delegados da PF no dia 4 de março, quando foi deflagrada a 24ª fase da operação, da qual o ex-presidente é um dos alvos. O depoimento ocorreu no aeroporto de Congonhas, na capital paulista, e durou mais de três horas. Na ocasião, ele afirmou que será candidato à Presidência da República em 2018 e que espera que alguém lhe peça desculpas após a conclusão das investigações.

Os promotores Cássio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique Araujo sustentam que o apartamento 164-A, no Condomínio Solaris, no Guarujá, é de Lula. O ex-presidente foi denunciado por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica pelos promotores, que também pediram sua prisão preventiva.

Na parte final do depoimento, o delegado da PF cita o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, ex-presidente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop). O tríplex que seria de Lula faz parte de uma lista de imóveis da Bancoop, adquiridos pela empreiteira OAS.

“Está ótimo. Eu espero que quando terminar isso aqui alguém peça desculpas. Alguém fale: ‘Desculpa, pelo amor de Deus, foi um engano'”, afirmou Lula. À Polícia Federal, o ex-presidente reclamou ainda da intimação feita à ex-primeira-dama Marisa Leticia. A mulher do petista foi convocada para prestar depoimento no caso tríplex.

“Porque, é o seguinte, eu tenho uma história de vida, eu tenho uma história de vida, a minha mulher com 11 anos de idade já trabalhava de empregada doméstica e minha mulher prestar um depoimento sobre uma porra de um apartamento que não é nosso?! Manda a mulher do procurador vir prestar depoimento, a mãe dele. Por que que vai minha mulher?”, questionou Lula.

O petista desabafou mais. “Eu acho que eu estou participando do caso mais complicado da história jurídica do Brasil, porque tenho um apartamento que não é meu, eu não paguei, estou querendo receber o dinheiro que eu paguei, um procurador disse que é meu, a revista Veja diz que é meu, a Folha diz que é meu, a Polícia Federal inventa a história do tríplex que foi uma sacanagem homérica, inventa história de tríplex, inventa a história de uma off¬shore do Panamá que veio pra cá, que tinha vendido o prédio, toda uma história pra tentar me ligar à Lava Jato (…), porque foi essa a história do tríplex.

E continuou: “Ou seja, aí passado alguns dias descobrem que a empresa off¬shore não era dona do tríplex, que dizem que é meu, mas era dona do tríplex da Globo, era dono do helicóptero da Globo. Aí desaparece o noticiário da empresa de off¬shore. A empresária panamenha é solta rapidamente (…) porque não era dona do Solaris que dizem que é do Lula, ela é dona do Solaris que dizem que é do Roberto Marinho, lá em Paraty. E desapareceu do noticiário”.

“E eu fico aqui que nem um babaca respondendo coisas de um procurador, que não deve estar de boa fé, quando pega a revista Veja a pedido de um Deputado do PSDB do Acre e faz uma denúncia. Então eu não posso me conformar. Como cidadão brasileiro, eu não posso me conformar com esse gesto de leviandade”, disse o ex-presidente.

Lula afirma que estão “tentando fazer com ele” o que fizeram com os acusados no processo do mensalão “que não poderiam entrar num restaurante” nem “ir a lugar nenhum”.

Ele afirma, porém, que agora decidiu que vai se candidatar à presidência em 2018 e que terão que ter “coragem” para impedí-lo. “[…] vou ser candidato à Presidência em 2018 porque acho que muita gente que fez desaforo pra mim, vai aguentar desaforo daqui pra frente. Vão ter que ter coragem de me tornar inelegível”, afirmou Lula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *