Conquista Editora – Topo

Portela, Salgueiro e Mangueira são destaques no RJ

Por Edir Lima

Foto/Portela

Foto/Portela

 

A segunda noite de desfiles veio com viagem pelo fantástico e celebração à malandragem e à alegria do carnaval. Portela, Salgueiro e Mangueira foram os destaques desta segunda-feira na Sapucaí.

Entre os momentos marcantes, ponto para as inovações de Paulo Barros na sua estreia na Portela. Foi um desfile de surpresas como um Poseidon voador, que flutuou com jatos de água; um carro com dinossauros engolindo foliões; e outro com um Jack Black Gulliver.

No Salgueiro, um zepelim voou sob a bateria com componentes fantasiados de Geni. A Mangueira apostou em chuva de confetes, em uma porta-bandeira “careca” e em carro com carcarás, menção à música de Bethânia.

No 1º dia de desfiles do Grupo Especial, se apresentam Estácio de Sá, União da Ilha do Governador, Beija-Flor de Nilópolis, Acadêmicos do Grande Rio, Mocidade Independente de Padre Miguel e Unidos da Tijuca.

A campeã será conhecida na quarta-feira (10), quando acontece a apuração dos votos. A última colocada será rebaixada para a série A.

VILA ISABEL

A Vila Isabel abriu o ddesfile com homenagem ao político Miguel Arraes (1916-2005). A apresentação levou para a Sapucaí símbolos de Pernambuco e da cultura do estado como a caatinga, a literatura de cordelo e a arte no barro. O frevo e o bloco Galo da Madrugada também foram lembrados. Sabrina Sato desfilou mais uma vez como rainha da bateria.

SALGUEIRO

Vice-campeã nos dois últimos carnavais, a vermelho e branco fez uma ode à malandragem. O Salgueiro trouxe um desfile caprichado e divertido, empolgando as arquibancadas, mas teve problemas técnicos que podem ser decisivos na briga pelo título. A escola mostrou o universo dos cabarés, botequins e personagens das ruas e da noite do Rio de Janeiro, com direito a um zepelim de cerca de 20 metros sobrevoando a avenida por cima da bateria, que trouxe os ritmistas fantasiados de Geni.

SÃO CLEMENTE

A única representante da Zona Sul do Rio no Grupo Especial falou dos palhaços. Em seu segundo ano na escola, a carnavalesca Rosa Magalhães abusou das cores e das brincadeiras. Antes do desfile, a escola distribuiu nariz de palhaço para a plateia e levou ainda uma ala do panelaço. Já a rainha Raphaela Gomes levou um tombo na avenida.

PORTELA

Na estreia de Paulo Barros na escola de Madureira, a azul e branco “viajou” pela Sapucaí com um enredo sobre viagens. Maior ganhadora de títulos (foram 21), a Portela fez um desfile arrasador, repleto de surpresas, que pode por fim a um jejum. A última vez que a escola foi campeã foi em 1984. Um Poseidon flutuou com uma prancha e jatos de água. O carro das viagens de Gulliver foi outro ponto alto. Um boneco de quinze metros do ator Jack Black, que interpretou o papel do gigante, foi escalado por componentes da escola. Para fechar, teve carro com dinossauros que engoliam foliões.

IMPERATRIZ

Imperatriz Leopoldinense fez uma homenagem à dupla Zezé Di Camargo e Luciano e à música sertaneja. O samba com os versos “É o amor” e “Sou brasileiro, caipira Pirapora” empolgou e chamou a atenção ao ser executado com acordes de sanfona. A escola saiu da Sapucaí ouvindo gritos de “A campeã voltou”.

MANGUEIRA

Última escola a desfilar, a Mangueira homenageou Maria Bethânia. Na busca pelo título do Grupo Especial, conquistado pela última vez em 2002, a escola verde e rosa celebrou os 50 anos de carreira da cantora baiana com um desfile de luxo e sofisticação, além da presença de muitos artistas e de uma porta-bandeira “careca” chamada Squel. A homenageada veio no último carro, ao lado de duas afilhadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *