FBIE – Topo

7 passos para empreender e abrir o seu próprio negócio

Por Geraldo Hisao

 

Na hora de empreender, o empresário deve se preparar obtendo o máximo de informações do mercado e de clientes em potencial para não viver na corda bamba

Na hora de empreender, o empresário deve se preparar obtendo o máximo de informações do mercado e de clientes em potencial para não viver na corda bamba

Empreendedores experientes ou não, sempre terão medo na hora de encarar um desafio e abrir um novo negócio, seja pela preocupação de investir em algo incerto ou pelas dificuldades que encontrarão no caminho. Se preparar obtendo o máximo de informações do mercado e de clientes em potencial, pode fornecer a segurança e o conhecimento necessário para diminuir o receio em um momento decisivo. Confira abaixo algumas dicas preciosas para você que pensa em empreender:

 

1. Tenha determinação

Se estiver pensando em largar um emprego para abrir o seu primeiro negócio, tenha mais certezas do que dúvidas de que é esse o seu real desejo. Em caso de dúvidas, espere mais um pouco e avalie suas alternativas, ou logo nas primeiras dificuldades (e elas virão), você pode se arrepender de ter deixado a segurança de um emprego. Esse fator pode lhe trazer desânimo e influenciar de forma negativa no seu projeto.

 

2. Conheça o seu cliente

Um erro frequente é oferecer algo que você gosta para o seu cliente, pensando que ele também irá gostar. Alguns empresários insistem por anos, até perceberem que perderam tempo e dinheiro, em algo sem retorno. De que adianta trancar-se em um escritório, desenvolver um produto, ter um plano de negócio e não ir a campo testar a aceitação do público. Às vezes uma simples conversa com clientes em potencial já é suficiente para identificar oportunidades, forças e fraquezas para o seu empreendimento.

Outra opção para obter informações é investir em uma pesquisa de mercado que identifique o seu público-alvo, perfil de compra, necessidades e a concorrência. Assim as decisões serão mais fáceis e embasadas. Portanto conheça o seu cliente muito bem para que o seu serviço ou produto se venda sozinho.

 

2. Planejar é fundamental

Investir em um planejamento estratégico ou um plano de negócio é sem dúvida uma boa opção para começar, mas a falta de conhecimento ou tempo pode te impedir de dar início a um projeto. No entanto, planejar não é apenas ter um documento formal com objetivos e ações a serem seguidas durante os próximos meses ou anos, mas sim pensar nos caminhos e possibilidades. Por isso elaborar um plano de metas com alternativas com certeza irá ajudar. A sua ideia deve ser amadurecida e arquitetada nos mínimos detalhes, pensando em possíveis problemas, para encontrar soluções rápidas.

 

4. Trabalhe seus pontos fracos

Nenhum empreendedor domina todo o conhecimento para abrir um negócio ou simplesmente mantê-lo no mercado por décadas. As grandes empresas não começaram grandes, foram se profissionalizando e identificando pontos fracos a serem melhorados. É muito comum um funcionário virar empresário porque sabe fazer a parte técnica, como por exemplo um corretor que decide montar a própria imobiliária achando que se trata apenas de vender imóveis. No entanto, em um determinando momento as dificuldades na gestão e com a expansão do negócio serão um empecilho. A verdade é que um empreendedor deve conhecer as áreas essenciais para que a sua empresa se destaque no mercado. Isso não significa que será preciso ser o vendedor do produto ou o controler financeiro, mas para gerenciar e obter o máximo de eficiência, é preciso saber pelo menos o básico antes de cobrar resultados. Existem consultorias especializadas em gestão estratégica, gestão financeira, pesquisa de mercado e outros setores que podem proporcionar ao seu empreendimento um custo benefício muito além do esperado.

Estude, se atualize e aprenda sobre outros assuntos que você não domina. Outra forma é buscar sócios ou funcionários que tenham conhecimento dessas áreas, para que você se preocupe apenas em gerenciar o seu negócio.

 

5. Corra Riscos calculados

 

Ter a coragem de arriscar é fundamental, todos os empreendedores tomam decisões diárias e em sua grande maioria correm riscos no seu negócio. Mas se você souber avaliar as alternativas, planejar as ações e pensar nos possíveis cenários de decisão, esses riscos serão diminuídos. Principalmente se tiver em mente um plano com um cenário otimista, um realista e outro pessimista. Outra forma de se prevenir nas decisões é conhecer bem o mercado e o seu cliente, descobrindo as necessidades que tornam as chances de risco mínimas.

 

6. Execute

Mais importante do que uma ideia ou um planejamento, é uma boa execução. Você já viu alguém vender uma ideia de 1 milhão de dólares? Acontece que ninguém compra uma ideia, porque ela sozinha não vale 1 milhão. Os investidores valorizam projetos executados, é isso que diferencia uma grande ideia de uma ideia milionária. De nada serve o planejamento se você não consegue tomar decisões precisas. Um exemplo é a criação de um sistema operacional para computadores, muitos tentaram mas apenas Bill Gates conseguiu distribuir mundialmente essa tecnologia que é utilizada por milhões, após fundar a Microsoft. Um homem que ficou bilionário, com uma ideia que nem era dele.

O importante é executar a sua ideia com o máximo de perfeição, logo ela será parte mínima do seu negócio e não haverão cópias que se igualem a sua eficiência.

 

7. Não tenha medo de errar

Errar é uma das principais tarefas de um empreendedor, se você nunca errou, já está fazendo errado. No Brasil ainda não incentivamos o erro, as pessoas se sentem envergonhadas quando falham e isso acaba se transformando em medo de arriscar novamente. Afinal de contas, quem nunca recebeu um sermão da professora ao fazer um exercício incorreto? Pois é, em momentos assim somos repreendidos e não incentivados a tentar sem medo de errar. No mundo dos negócios é a mesma coisa, as falhas servem de aprendizado para os futuros acertos que são uma escada para o sucesso.

Portanto, entre todas essas dicas, a mais importante é acreditar na sua ideia e principalmente no seu potencial. Muitas pessoas irão torcer o nariz quando você cogitar deixar o seu emprego para empreender, mas não se espante. No Brasil a educação não é voltada para o empreendedorismo, enquanto nos países da Europa essa cultura é cultivada desde a infância. Ser empreendedor é ter liberdade, é trabalhar em busca do lucro próprio, é saber expor e executar ideias sem ninguém para repreendê-las. Lembrando sempre que o ganho é proporcional ao seu trabalho e que não é preciso esperar anos para ser promovido. Você é o seu chefe!

Geraldo Hisao é diretor executivo da GGV Consultoria Empresarial especializada em micro, pequenas e médias empresas no qual o principal diferencial é a metodologia inovadora de trabalho. www.ggvconsultoria.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *