Cinemark – 2

O looping da mulher moderna

Por Lívia Nakaguma

Foto: Reprodução Internet

Foto: Reprodução Internet

Volta e meia me pego assim, entediada, precisando de emoção… gente!!! Eu posto e recebo respostas de amigas, todas assim: ain amiga! Eu também!
Que será isso que pega a gente de tempos em tempos? Essa vontade enorme de não ser mais, ou melhor de ser MAIS! De fazer parte de algo maior, mais simbólico, mais emocionante?
Bom, que a gente é inquieta já sabemos. Sabemos também que é essa falta, esse buraco simbólico no nosso inconsciente que nos move. Mas precisa ser tão dramático? Claro! Senão não seria a clássica histeria freudiana que tende a aumentar tudo. Sabe novela mexicana? Então… histeria purinha.
Pode ser signo, ascendente, lua, mas o que me ajuda a sair dessa crise histérica de tédio, geralmente é viajar, sair do lugar, literalmente. Acontece que sair do lugar é muito importante simbolicamente, deslocar-se. Sair do lugar de filha e ir para o lugar de mãe, do lugar de mãe pro de mulher, aluna, professora, chefe,funcionaria, amiga, mãe de cachorro, nora, madrinha! UFA! Quantos lugares a gente tem não é? E cada lugar tem sua função e exige uma postura diferente.
Acredito que viajar, me deslocar, me ajuda a me reorganizar nesses lugares e manter minhas relações equilibradas! E como isso faz bem!
Vale experimentar algo do tipo pra evitar aqueles conflitos chatos que acontecem porque a gente esta meio mal resolvida sabe?! Tipo assim, disputar lugar com a sogra: PEN! Você esta fazendo isso errado! Disputinha histérica no trabalho: PEN! Brigar com a ex do namorado: PEN!
Nós temos nosso lugar em cada relação, conseguir assumir esses lugares sem se confundir é um desafio, mas é o melhor passo pra não desperdiçar energia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *