Hinode – 1

E quando o chefe é…INSUPORTÁVEL?

Por Altamir Lopes

"Ai meu Deus...Será que ele me viu?" - Assim pensam os que amam ver o seu chefe pelas costas...

“Ai meu Deus…Será que ele me viu?” – Assim pensam os que amam ver o seu chefe pelas costas…

“Não aguento nem olhar na cara dele!”

“Isso é porque ela ‘tá’ de marcação comigo…”

“Ele que experimente fazer isso comigo, processo logo por assédio moral!”

Essas são algumas das frases recorrentes num ambiente onde o algoz – digo, o chefe – é o personagem central de controvérsias e muitas vezes é um forte candidato a modelo para confecção de bonequinho para algum ritual vodu. Sim, as frases que introduzem esse artigo se tornaram frases feitas daqueles que não suportam mais terem que ir trabalhar todo dia, como uma penitência a ser sofrida por pecados que tampouco se saibam quais sejam, sendo obrigados a suportar essa figura antológica: O CHEFE INSUPORTÁVEL.

E, antes que os chefes de plantão pensem em demitir esse artigo, já aviso que na semana que vem continuaremos essa série falando do “funcionário insuportável”… Portanto, relaxe. Leia o artigo até o final e aproveite para entender um pouco mais a respeito do que pensam os (seus) subordinados sobre algumas atitudes – digamos – inapropriadas de alguns chefes. E você, subordinado, se prepare para se reavaliar também… Afinal de contas até o mais manso bichano pode virar uma onça feroz se o provocarmos. Assim, quem sabe, você não acabe percebendo que algumas atitudes suas não amansariam a fera que você encara todo dia? E outro detalhe: nesse artigo vamos conversar sobre aquele tipo de chefe que está em posição gerencial, ou seja, ele está pelo menos uma posição acima de você. Mas, também, tem que prestar contas para um ou mais comandantes acima dele ( ô, dó…).

Primeiro: basicamente existem dois motivos principais para que o seu chefe seja assim, como dizem, insuportável. O primeiro está diretamente ligado a ele próprio. Explico. Pode ser que a insatisfação que seu chefe possui a respeito de suas próprias limitações, a preocupação extrema em apresentar resultados (mesmo não sabendo como fazer isso) ou um egocentrismo exagerado o faz querer reafirmar o seu lugar na empresa com a única forma que conhece: humilhando os outros. E isso é bastante comum acontecer, acredite.

O outro motivo pelo qual o seu chefe se tornou para você uma pessoa tão mesquinha está diretamente relacionado a você mesmo…Talvez VOCÊ tenha feito ou dito algo na hora errada ou inapropriada, marcando a relação de vocês permanentemente. Assim, também pode ser possível que o seu chefe não seja alguém tão “ogro” assim, e por você ainda não ter aprendido a lidar com ele,  acaba provocando-o, mesmo sem querer.

“Tudo bem, e daí? O que eu faço?” – Você está pensando agora. Bem, independentemente do motivo que faz o seu chefe parecer tão mau, a solução desse problema não está nele, pelo menos não somente nele… Sabe por quê?

Porque ele obedece a ORDENS e, muitas vezes, isso é tudo o que ele sabe fazer. A culpa está, portanto, acima dele: no chefe DELE! Talvez este último não percebeu esse conflito de relacionamento corporativo e ainda não fez nada para solucionar o problema. E se fez, não foi eficaz para solucionar a situação, seja aprimorando a habilidade de liderança do suposto chefe que mais parece um aspirante a demônio ou, em último caso, demitindo essa “coisa ruim”…FIRED nele!

Do outro lado dessa história temos…VOCÊ. Sim, você. Você é o único que pode decidir como lidará com essa situação tão complexa. Não é muito simples, mas também não é nenhum bicho de sete cabeças, como o seu chefe muitas vezes parece ser…Siga as dicas e tenha sucesso em domar a fera ( a “fera” aqui é você mesmo).

1-Antes de mais nada, certifique-se de forma humilde, realista e madura que você realmente não está fazendo nada que realmente mereça reprovação. O seu chefe é alguém designado para, em tese, fazer as coisas funcionarem…Não estaria você sendo um entrave pra os processos corporativos? Bem, se assim for, corrija o problema. Peça ajuda a Ele. Na maioria dos casos essa ação resultará em bons resultados;

2- Certificar-se que o chefe é um troglodita com uma clave na mão que caça dinossauros o dia todo, independentemente das boas soluções que lhes apresentam. Então, chegou a hora de avaliar: a empresa sabe disso e aprova tácita ou formalmente essa atitude de capataz? Se não, caberá a você ter paciência e produzir o melhor que puder, pois em pouco tempo essa pessoa vai desaparecer do quadro. Agora, se a diretoria diz que “toda empresa precisa ter um chefe duro para colocar os funcionários na linha” e, por isso, aprova, mesmo que subliminarmente as atitudes chicoteadoras de algum chefe, então chegou a hora de você avaliar se realmente deveria continuar nessa empresa. Viu? Mais uma vez a decisão é sua…

Diálogo. Maturidade. Profissionalismo. E acima de tudo: respeito! É mais do que óbvio que se esses elementos estiverem presentes no relacionamento corporativo do chefe e o seu subordinado, então todas as questões – por mais complicadas que pareçam ser – chegarão a um bom termo. Acima de tudo, Empresas, chefes e subordinados – todos –  devem compreender que as nossas vidas como seres humanos não se encerram na vida corporativa. Temos que aprender a suportar a nós mesmos e aos outros em todo momento, sempre.

Se você tiver uma dúvida, crítica ou sugestão sobre esse artigo ou deseja recomendar temas, escreva para altamirlopes@folharj.com.br  . Será um prazer também ler o seu comentário aqui na nossa coluna! Escreva, curte e compartilhe… quem sabe uma alma desesperada não gostaria de falar um pouco sobre esse assunto?

Grande abraço

Altamir Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *