Cinemark – 2

Vamos falar de suicídio

Por Lívia Nakaguma

setembro-amarelo

Foto: Reprodução Internet

Dia 10 de setembro é o Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio. Tem circulado pelas redes sociais a fitinha do setembro amarelo, que tem como objetivo promover uma discussão aberta sobre o assunto.
O ato de tirar a própria vida é um tabu em várias culturas e religiões, considerado um pecado, um ato de covardia ou desespero. O suicídio deixa aparente um furo, principalmente na cultura da felicidade em que se vive na atualidade.
“Por que querer morrer em um mundo tão bonito? Tão cheio de vida? Com que coragem ele fez isso com a família?O que aconteceu?”
Antes de qualquer coisa é preciso dizer que o suicídio não acontece de uma hora pra outra. Vale enfatizar que ele é fruto de um história, do processo de desenvolvimento de um sujeito que, enfim, se vê perante a morte como um agente da mesma.
A maneira como cada sujeito se relaciona com o que o mundo lhe oferece o define e, às vezes, esse mundo se apresenta de forma demasiadamente insuportável para alguém que não desenvolveu as ferramentas psíquicas necessárias para lidar com a realidade.
Várias questões são colocadas em jogo quando se trata de suicídio. Uma delas, causa bastante comum, é a paranoia, ou mania de perseguição. O sujeito, a fim de se defender do suposto perseguidor, acaba por tirar a própria vida.
Outro fator importante é a depressão. O sujeito deprimido está mergulhado em si mesmo, buscando encontrar algo ali e não faz qualquer investimento emocional em objetos externos. Dessa forma, ele acaba por não encontrar o que busca e considera a morte como solução.
Antes de passar ao ato e cometer suicídio, o indivíduo nos dá pistas por meio de falas e comportamentos. Então, é preciso ouvi-lo e dar lugar a essa fala, para que o mesmo possa se reposicionar quanto às questões que o levam a pensar nisso.
Em ambos os casos o acompanhamento psicológico e psiquiátrico pode mudar o desfecho da história. Amigos e família podem ajudar a pessoa a buscar ajuda e, assim, ter a chance de salvar uma vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *