Hinode – 1

O dilema do pássaro

Por Elias Houaiss

Dilema do Pássaro

Na nossa coluna de hoje vou contar a história de dois pássaros da mesma espécie. O primeiro é um pássaro livre. Este pássaro está solto no mundo, tem que buscar a sua própria comida, escapar de seus predadores e construir o seu próprio ninho. Embora tenha que se virar, este pássaro sobrevoa lugares nunca antes vistos por ninguém, escolhe o que comer e a quantidade, mantém contato com outros pássaros e animais, voa tão alto quanto pode e está sempre se esforçando para ter a melhor vida possível. É um pássaro que busca fazer o que tem vontade e, ainda por cima, tem seus filhotes e cuida deles para que no futuro se tornem pássaros mais fortes e mais bonitos que ele.

O segundo pássaro vive em uma gaiola. Está preso e não pode sair, recebe sempre o mesmo tipo e quantidade de comida e água uma vez ao dia e no mesmo horário. Dentro da gaiola está seguro da maioria dos predadores, porém alguns ainda sim conseguem pega-lo lá dentro e o pássaro não tem como fugir e nem se defender. Se cantar muito, receberá uma atenção maior do seu dono, o que poderá render mais comida e carinho (ou não). Nunca voou sozinho, no máximo dá alguns pequenos saltos e quando se empolga, suas asas acabam batendo nas extremidades da gaiola. Não mantém contato com nenhum outro animal e nunca terá filhotes para cuidar.

Como podem perceber, o primeiro pássaro é um empreendedor. Está livre no mundo, sai em busca dos seus sonhos e se esforça ao máximo para alcançá-los. Enfrenta momentos bons e ruins, registra ganhos e perdas, mas a sua essência é a de um guerreiro e não abandonará o campo de batalha até que tenha ganho a luta. Conhecerá pessoas de todos os tipos e culturas e fará uma das atividades mais belas do empreendedorismo, formará pessoas para serem seus sucessores e perpetuarem seus sonhos, obviamente sempre modificando-os de acordo com a necessidade.

O segundo pássaro é um trabalhador. Possui a segurança do seu salário no final do mês e caso tenha um rendimento ganhará seu bônus. Muitas vezes trabalha em algo que não gosta, esperando o final da vida e a aposentadoria para sair em busca dos seus sonhos. Na maioria das vezes estará na companhia das mesmas pessoas ou sozinho. Muitas vezes é limitado por seu chefe ou gestor e não consegue criar ou modificar seu ambiente de trabalho, tornando o ofício algo maçante e mecânico. Trabalhará durante seu ciclo padrão com total previsibilidade e na segurança de uma “gaiola”.

Percebeu a diferença? Como sempre digo: meu objetivo não é dizer qual o certo e qual o errado, até mesmo porque não existe! O que existe é o melhor e o pior para cada um. Não quero ser o tipo de pessoa que escreve sobre conceitos e transforma a coluna em algo didático (nada contra, juro!), o que quero é mostrar para você, leitor, que existem diversos caminhos e que podemos fazer o que quisermos. Todos nós nascemos com a capacidade de conquistar o mundo. Só resta a você saber a resposta para a pergunta: qual pássaro você quer ser?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *