Uninter – 1

Você brinca de empreender ou leva o negócio a sério?

Por Alexsander Sena

Reprodução internet

Reprodução internet

Hoje quero falar com vocês sobre o que é ser empreendedor, o glamour de se dizer que é empresário e o que acontece na verdade!

 

Vamos navegar no universo real do empreendedorismo, e saber se você se identifica com as informações colhidas em várias fontes sobre este assunto tão íntimo de nós brasileiros. Somos um povo que gosta de arriscar em negócios próprios, mesmo sem ter experiência. Somos otimistas por acreditar que tudo dará certo mesmo sem ter um mínimo de conhecimento sobre o que vai montar para sobreviver.

 

Hoje passamos por um choque, um conflito de realidade. Apesar de o Brasil se encontrar na primeira posição do ranking dos países empreendedores, o estudo recém divulgado pelo Sebrae com os resultados da pesquisa mundial do GEM (Global Entrepeneurship Monitor) demonstra que 48% (quarenta e oito por cento) das empresas brasileiras fecham e não conseguem chegar ao terceiro ano de vida.

 

Mas para que você não faça parte desta estatística, quais habilidades e competências são necessárias para se tornar um empreendedor realmente? A lista de características é grande:

 

  • Iniciativa
  • Perseverança
  • Coragem para correr riscos
  • Eficiência e qualidade
  • Rede de Contatos
  • Liderança
  • Foco
  • Paciência
  • Separar o profissional do emocional
  • Estar sempre em busca do aperfeiçoamento
  • Comprometimento
  • Planejamento Financeiro
  • Autoconfiança
  • Criatividade
  • Responsabilidade
  • Humildade
  • Gostar de estudar
  • Coragem
  • Forte capacidade de se comunicar e se expressar

 

Mas aí vem a pergunta: “Você preenche todos os requisitos acima?” Afinal, a lista contém apenas uma parte de um universo muito mais complexo sobre empreender. Lembre-se que sucesso é sinônimo de esforço. Antes de o negócio ser aberto é preciso desenvolver um detalhado plano de negócio e um minucioso planejamento estratégico, analisando o mercado, a concorrência, os fornecedores e principalmente o seu público-alvo!

Mas você pensa que acabou? Ainda não falamos de mais um detalhe que pode também colocar em risco seu negócio. Esse risco aparece na maioria dos empreendimentos: família. Muitas empresas nascem no seio familiar e terminam em desavenças e brigas em casa e na empresa (mas sobre empresas familiares nos aprofundaremos mais na frente, já que é um campo muito extenso para abordarmos.)

 

Aproveito então e apresento neste momento alguns poucos, mas importantes, dados sobre o universo do empreendedorismo. Para vocês terem uma ideia do quanto o brasileiro carrega nas veias o sangue empreendedor, a mesma pesquisa do GEM apresenta uma estatística sobre os sonhos da população:

 

  • Em primeiro lugar ficou “ter uma casa própria”;
  • Em segundo lugar, “ viajar pelo Brasil”;
  • Em terceiro lugar, “ter o próprio negócio”.

 

Estes resultados ficaram à frente de se ter um diploma de ensino superior, ter plano de saúde e, até mesmo, casar e ter uma família (se você se interessou realmente pelos dados que eu trouxe aqui e quiser conhecer as informações sobre o empreendedorismo no Brasil, acesse o site do Sebrae e, no campo “pesquisa”, digite “sobrevivência das empresas no Brasil”.)

 

Mais uma pesquisa disponível também, gratuitamente, pode ser encontrada no site da Endeavor (organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo). No site da Instituição há uma pesquisa onde demonstra que 6 em cada 10 universitários pensa em montar o próprio negócio. Contudo, a maioria dos jovens que buscam o sonho do próprio negócio não se prepara para empreender. Ou seja: “muito sonho e pouca preparação!” (https://endeavor.org.br/empreendedorismo-nas-universidades-2014/)

 

Outra informação importante nas pesquisas disponíveis no site da Endeavor é que 6 em cada 10 universidades públicas não oferecem estrutura para desenvolver os alunos e negócios, tais como mentoria, redes de contato e plantões de dúvidas.

 

Já em relação ao número de empreendedores no Brasil, o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) informa que atualmente temos mais de 17.000.000 (dezessete milhões) de empresas no Brasil. A maioria delas se encontra nos segmentos de alimentação e vestuário.

 

Essa quantidade enorme de pessoas se arriscarem no mundo dos negócios é acompanhada de um dado alarmante: segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), após três anos de abertas, 48% das empresas fecharão suas portas, engrossando o coro dos negócios mal sucedidos.

 

Temos certeza de que empreendedorismo não se resume somente a esses meros dados que trouxe neste artigo, mas era necessário trazer algumas informações que acendessem o alerta vermelho de quem está começando um negócio.

A lógica diz que nem tudo se resume a desgraças, mas a responsabilidade como colunista do assunto me faz apresentar a realidade que existe “lá fora”. É preciso lembrar que, se não se preparar muito bem, fatalmente você engrossará o coro dos 48%.

 

A conclusão: para ter sucesso nos negócios é preciso uma combinação de habilidades e talentos e, caso você não tenha todas – considerando que ninguém é super-homem -, saiba escolher seus sócios para suprirem suas falhas ou fraquezas. Mas também tenha a humildade de contratar funcionários melhores que você e saiba valorizá-los. No final tudo dará certo!

 

Eu sou Alexsander Sena e espero você na próxima semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *