Copemac-970×90

Dinheiro x Euforia

Por Pedro Bedran

dinheiroComo as equipes agem hoje em dia para que seus patrocinadores não saiam prejudicados

 

Imaginem aquele momento, final de campeonato, em que o craque do time marca o gol da vitória. É o ápice, a glória. Todas as câmeras da TV e fotográficas estão apontadas para ele naquele instante. A marca do patrocinador vai aparecer para o mundo inteiro. E aí, o que o jogador faz? Tira a camisa na comemoração. Pronto. Aí está a perda de milhares, talvez milhões para aquela empresa que investiu para que tal momento chegasse.

Esse cenário sempre foi muito comum. Não só na hora do gol, mas também, quando o jogador que se destacou na partida ia conceder uma entrevista no fim da mesma. É comum, principalmente no Brasil, pelo clima, os jogadores tirarem a camisa quando acaba o jogo. Fazem isso também para trocar de camisa com o jogador do time adversário. Então, algumas soluções foram criadas.

Pode parecer que foi só uma decisão da comissão de arbitragem punir o jogador que tira a camisa na hora do gol com cartão amarelo. Mas foi mais do que isso. Foi uma pressão também do lado das empresas, para que suas marcas pudessem aparecer. Atualmente, tornou-se muito comum também, sobretudo em jogos da Seleção Brasileira, o uso dos backdrops no gramado. Quem nunca reparou quando um jogador vai dar entrevista, no intervalo do jogo ou no final, o Assessor de Imprensa da CBF colocando uma placa com os patrocinadores da Seleção atrás do jogador? Se ainda não viram, comecem a atentar para isso.

É comum também hoje, um profissional do setor de Comunicação da equipe já estar com uma camisa do time aguardando o final da partida para entregá-la ao jogador que está sem camisa para dar a entrevista. Uma ação que é feita também, é o jogador vestir uma terceira camisa do time, que é pouco usada, ou está sendo lançada, para além de manter a divulgação dos patrocinadores, divulgar junto a nova peça, para atrair os torcedores a comprarem a mesma.

Esporte não é só lazer, não é apenas entretenimento. Esporte é negócio. Logo, no mundo dos negócios, tudo é pensado, nos mínimos detalhes, para que não se perca dinheiro. Pelo contrário, deve-se sempre ganhar mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *